Zhan Zhuang

Se você pratica artes marciais chinesas, possivelmente conhece, já viu ou ouviu falar em “abraçar a árvore”. “Abraçar a árvore” é o nome pelo qual muitas pessoas conhecem uma postura em pé com os braços em forma de círculo. Neste artigo vou esclarecer sobre essa postura muito famosa chamada zhan zhuang.

Zhan zhuang: ficando “em pé como um árvore”

Zhan zhuang é popularmente conhecida como “abraçar a árvore”, por causa da postura que sugere envolver um tronco com os braços. Entretanto, não é esse o significado do termo. Zhan zhuang faz referência à época em que o cavalo era um dos principais meios de transporte na China. Naquela época, em frente a casas e estabelecimentos havia tocos de madeira fincados ao chão que serviam para amarrar os cavalos. Conforme meu professor, o mestre Cai Wen Yu me contou, zhuang (椿) era este objeto. Zhuang é também uma espécie de árvore, a Camellia japonica. Zhan (站) é ficar em pé. Assim, o significado mais aproximado de zhan zhuang é “em pé como uma árvore”.

O sentido do termo é o de ficar em pé tão firme e estável quanto uma árvore (ou quanto um tronco de amarrar cavalos). Porém, vou me arriscar a ir um pouco mais fundo no significado. A Camellia japonica é uma espécie que possui milhares de variedades, que suportam desde calor intenso até a neve. Então talvez haja um significado ainda mais profundo, que eu gosto de assumir. Esse significado seria o de “ficar em pé firme e estável,  não importa o que acontecer. Seja embaixo do sol ou da neve, assim como a Camellia japonica”. Esse significado faz muito sentido para mim, porque é preciso essa determinação para que o exercício funcione.

zhan zhuang

A origem de zhan zhuang

A maioria das pessoas conhece a postura de ficar “em pé como uma árvore” por causa do tai chi. Outras podem conhecer por causa do lian gong, mas a postura é mais associada ao tai chi. Embora ele seja responsável por tornar essa posição famosa pelo mundo afora, zhan zhuang não é uma prática originária do tai chi.

Zhan zhuang é um método de treinamento que vem do xingyiquan que era pouco ensinado. Ele só é amplamente conhecido por causa de um aluno de um dos maiores nomes do xingyiquan: Guo Yunshen. O mestre Guo sabia que quase ninguém teria a determinação necessária para treinar esse sistema de exercícios. Ou talvez por não considerar nenhum de seus alunos aptos a aprender esse “segredo”. Porém, já em idade avançada ele aceitou um parente como seu novo aluno: Wang Xiangzhai. Wang era criança quando começou a aprender xingyiquan por problemas de saúde. Como tinha um carinho especial por Wang, mestre Guo o ensinou o verdadeiro xingyiquan. Wang aprendeu a essência do xingyiquan: zhan zhuang!

Em 1907, Wang Xiangzhai passou a viajar pela China para se encontrar com praticantes e mestres de artes marciais. Ao todo foram quase 40 anos de viagens, em que ele visitou inclusive o Templo Shaolin. Na ocasião ele aprendeu xinyiba[1] com o monge Heng Lin durante meses.Por volta de 1925, com toda essa bagagem, Wang criou o seu próprio estilo, o yiquan[2]. Com as viagens de Wang antes e depois da criação do yiquan, o estilo recebe influência de outros, como o baguazhang, taijiquan (tai chi), qigong (chi kung) e outros. Porém a estrutura do estilo é fundamentada na essência do xingyiquan, o zhan zhuang. No yiquan tudo, qualquer movimento, soco ou passo deve ter sua origem em zhan zhuang.

Zhan zhuang, um exercício de força

Embora seja conhecido por uma única postura, existem várias outras posturas, com diferentes nomes. Alguns nomes são hunyuanzhuang, xianglongzhuang, fuhuzhuang, ziwuzhuang, sancaizhuang, existe zhan zhuang na postura de combate, etc. Mas o objetivo de todas elas é o mesmo: ficar em pé como uma árvore. O que a maioria das pessoas não sabe é que é um exercício de força, relacionado ao qi (chi). Nesse exercício se fica em pé por vários minutos até algumas horas. Wang era visitado por praticantes de diversas artes marciais que queriam enfrentá-lo e conhecer o seu estilo. Seus alunos também eram exímios lutadores. Ele sempre dizia que se você quer aprender arte marcial, é preciso começar com zhan zhuang.

zhan zhuang

Zhan zhuang para combate

Em 1928, Wang fez um anúncio público em que dizia: “Eu viajei e pesquisei por todo o país, enfrentando milhares de pessoas em combate marcial e houve apenas duas pessoas e meia[3] que eu não pude derrotar, que foram Xie Tiefu de Hunan, Fang Yizhuang de Fujian e Wu Yihui de Shanghai[4]”. O anúncio em chinês e sua tradução para o inglês pode ser acessado aqui. Wang ganhou fama em Pequim, Shanghai e Tianjin.

A fama de Wang e de seus alunos foi um dos fatores que popularizou o zhan zhuang. Assim, este tipo de exercício passou a ser incorporado a outros estilos. Como exemplo, o japonês Kenichi Sawai, 4° dan de judo e 5° de kendo, tentou vencer Wang várias vezes. Sem atingir o objetivo, acabou se tornando seu aluno e subsequentemente criando o seu próprio estilo: o taikiken. Um de seus alunos mais famosos foi Mas Oyama, fundador do kyokushin karate, o que fez com que “ficar em pé como uma árvore” fosse incorporado ao kyokushin.

Espalhando a fama com zhan zhuang para saúde

Se engana quem pensa que esse treino é feito apenas parado. Parado é o início, mas é preciso se movimentar, sempre dentro dos princípios. Depois é preciso saber utilizar a força, aplicá-la em um parceiro e dentro de um contexto de luta. Mas houve outro fator que popularizou essa forma de exercícios que não teve relação direta com as artes marciais.

Em 1957 se criou uma política de que as artes marciais deveriam se limitar às formas. Isso tinha o objetivo de fazer com que as pessoas pensassem que artes marciais nunca tiveram relação com combate. Então Wang Xiangzhai passou a ensinar apenas a versão para a saúde, ensinando algo a mais apenas para poucos alunos em sua própria casa. Seu aluno Yu Yongnian apresentou às autoridades os benefícios terapêuticos do zhan zhuang. A partir daí, Wang passou a ensinar em hospitais em Pequim e Baojing[5].

Nos hospitais eram incríveis, às vezes curando pacientes que os médicos não conseguiam curar. Isso fez com que outros estilos e formas de chi kung incorporassem o zhan zhuang. Porém, é preciso deixar claro que nos hospitais Wang ensinava apenas os aspectos relacionados à saúde. Por isso o que foi incorporado a outros estilos e práticas é algo muito superficial. Mesmo se a sua aplicação for apenas para a saúde, faltam muitos aspectos.

Isso acontece porque aqueles que se apropriaram desse método nunca tiveram acesso ao seu ensino profundo. O tai chi, por exemplo, não tem e não tem como ter essa prática como exercício central, diferente de como é (ou era) no yiquan. Assim, só pode ser deixada em segundo plano, como exercício complementar, de onde não é possível tirar muitos benefícios. Por isso conceitos como a concentração no dantian e controle da respiração foram misturados com a prática original.

Tu li shou shen: controlando a mente

Zhan zhuang é também uma forma de meditação em pé, assim a prática de arte marcial é indissociável da meditação. De acordo com o mestre Cai Wen Yu, zhan zhuang também pode ser chamado de tu li shou shen, por causa de uma passagem do Huangdi Neijing (Cânon Interno do Imperador Amarelo). Nesta passagem está escrito algo como “no passado havia pessoas que ficavam em pé controlando a mente (tu li shou shen), controlando o yin e o yang, sustentando a terra e puxando o céu, respirando a energia do universo e seus músculos funcionavam como um só”. Essa é uma descrição perfeita de algumas das sensações provocadas pela prática correta de zhan zhuang.

Felizmente, é possível no Brasil aprender o zhan zhuang com o mestre Cai Wen Yu. Mestre Cai reside e ensina em São Paulo e foi aluno de Yao Zongxun, que recebeu diretamente de Wang Xiangzhai a missão de continuar a promover o yiquan. Após o falecimento de Yao em 1985, mestre Cai aprendeu com Han Si Huang,aluno direto de Wang e Bai Jin Jia, aluno de Yao. Fundamentado no yiquan e acrescentando seus conhecimentos em baguazhang e xingyiquan, mestre Cai criou o seu próprio sistema, o lao qigong, onde ensina o sistema completo.

Mestre Cai lançou em 2012 um livro sobre o lao qigong, onde fala sobre zhan zhuang. Este livro pode ser adquirido em versão para kindle no Amazon (em inglês) e em versão impressa ou pdf no site da editora agbook. Só como uma curiosidade, foi praticando zhan zhuang que eu pude descobrir o que de fato significa “afundar o qi”.

Notas

[1]Xinyiba é um estilo pertencente à escola xinyi. Xingyiquan e xinyi possuem a mesma origem, assim xinyiba é um estilo similar ao xingyiquan.

[2]Embora Wang Xiangzhai desaprovasse, yiquan também é conhecido como dachengquan, nome criado por um de seus alunos.

[3]No meu entendimento, “duas pessoas e meia” pode significar uma de duas coisas. A primeira seria uma expressão que quer dizer “quase ninguém”. A segunda estaria relacionada ao encontro com Fang Qiazhuang (Yizhuang). Na ocasião, ambos disputaram 10 vezes, em que Fang venceu 6 e Wang venceu as outras 4. Porém, Wang venceu de forma mais controlada e cuidadosa do que Fang. Fang então disse: “você não perdeu e eu nao venci. Somos rivais que merecem a admiração um do outro.” Assim, talvez Wang tivesse considerado meia vitória de Fang.

[4]Xie Tiefu foi mestre em xinyiquan. Wang aprendeu com ele durante um ano. Wu Yihui era mestre em Liuhebafa, outro estilo da escola xinyi. Fang Yizhuang (ou Qiazhuang) também era descendente da escola xinyi, muito bom no estilo hequan.

[5]Informações tiradas do ebook Yiquan – Kung Fu Revolution, de Andrzej Kalisz, que pode ser baixado gratuitamente no site da yiquan academy.

Gostou deste artigo? Compartilhe com os amigos e deixe suas perguntas nos comentários!

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *