O Guerreiro e a Morte

Como você agiria se soubesse que está fazendo algo pela última vez? Isso era algo que os guerreiros de antigamente precisavam sempre ter em mente. Eles deviam estar o tempo todo preparados para a morte a qualquer momento. Os samurais eram educados para pensar sobre sua morte do momento em que acordavam até dormir. Por este motivo, neste artigo vou falar sobre a relação entre o guerreiro e a morte. Esse assunto serve tanto para a sua prática de arte marcial, quanto para a sua vida.

Uma flecha, uma vida

o guerreiro e a morteTudo que fazemos, fazemos pela primeira vez, a única vez e pela última vez. Você pode repetir o mesmo movimento diversas vezes, mas cada repetição será diferente. Portanto, cada repetição é um novo movimento, então você sempre o faz pela primeira vez. Se é sempre diferente, não se repete, então você o faz uma única vez. Se faz uma única vez, então cada vez é sempre a última.

No livro “O Arqueiro Zen e a Arte de Viver” (One Arrow, One Life em inglês), Kenneth Kushner menciona um provérbio em japonês: “issha zetsumei”. Este provérbio se encontra acima da entrada do dojô de kyudo no templo Chozen-Ji, no Japão, onde ele praticou kyudo. Kyudo é a arte marcial japonesa do tiro com arco, praticada por monges zen budistas. Segundo o autor, issha zetsumei resume o espírito do treinamento de kyudo em Chozen-Ji. Kushner traduz o provérbio como “uma flecha, uma vida”. E qual é esse significado?

Se sua vida fosse resumida ao disparo de uma flecha, como você faria esse disparo? Quanto empenho você colocaria nele? Se o disparo é uma metáfora da vida, devemos pensar em cada disparo como sendo o único, assim como a vida. Acertar ou errar o alvo não importa, mas é preciso dar tudo de si, pois não há segunda chance. Basicamente, esse é nas minhas palavras o significado de “uma flecha, uma vida”.

A relação entre o guerreiro e a morte

No sentido literal, a relação entre o guerreiro e a morte é a de que cada batalha tem o potencial para ser a última. Pode ser que o guerreiro não sobreviva, cada golpe pode ser o último. Mas num sentido mais profundo, a relação entre o guerreiro e a morte leva a uma reflexão a respeito de como a vida foi vivida. Se o samurai morresse na batalha, sua vida teria tido valor? Alguma coisa teria sido deixada sem fazer? Algum arrependimento teria ficado? É preciso deixar tudo pronto para o caso de uma morte eventual para não levar “dívidas” com você.

Existe na morte um significado mais profundo do que o sentido literal. Se pensarmos bem, tudo está sempre morrendo, o tempo todo. Nós também e cada morte é um novo renascimento. O dia anterior não existe mais, tudo o que fizemos no passado só existe na memória. Um dia morre, outro dia nasce. Morremos o tempo todo e assim renascemos. Não somos os mesmos de ontem, estamos sempre mudando. Quando uma fase da vida chega ao fim, ela morre, você morre. E com uma nova fase, você renasce. É preciso saber “deixar morrer”.

O guerreiro e a morte devem andar sempre juntos

É preciso saber aceitar a perda, a mudança. No sentido figurado, morte nada mais é do que mudança. Nas artes marciais isso deveria ser praticado. Uma das principais características que um artista marcial deve ter é a capacidade de recomeçar do zero, quantas vezes for necessário. Na vida muitas vezes precisamos recomeçar do zero a qualquer momento, de acordo com as mudanças. Podemos perder o emprego, nosso negócio pode fechar, um relacionamento pode terminar. Por isso o guerreiro e a morte devem andar sempre juntos.

Houve um momento da minha vida que eu precisei recomeçar do zero nas artes marciais. Tive que jogar fora tudo o que havia aprendido em 13 anos. A imagem que eu tinha de mim mesmo foi completamente estilhaçada. Tive que construir uma nova autoimagem e foi um processo muito doloroso. Tive que me deixar morrer. Mas depois de ter recomeçado uma vez, sei que posso recomeçar quantas vezes for necessário. Até porque todos os dias eu recomeço do zero, literalmente. No lao qigong aprendi que todo treino é o primeiro, assim como é o último e o único.

Cada vez que você faz alguma coisa, ela é sempre única. O prazer de um movimento executado acaba com ele, não será repetido, será sempre outro. Portanto faça com o entusiasmo que se faz algo pela primeira vez, sem julgamentos, pois cada movimento tem o seu valor.

Você nunca sabe quando está fazendo alguma coisa pela última vez. Você nunca sabe quando está vendo alguém pela última vez. Por isso você deve estar 100% presente no que estiver fazendo. Procure não se distrair, concentre-se na pessoa com quem você está interagindo. Não se distraia e faça o que deve ser feito. Dê tudo de si em todos os momentos, no que quer que seja. Prepare-se para o caso de aquela ser de fato a última vez e você ter que aceitar a mudança.

Gostou desse artigo? Compartilhe com os amigos e me deixe saber sua opinião deixando um comentário!

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
111

Deixe uma resposta

One Reply to “O Guerreiro e a Morte”

  1. Bom, só tenho agradecer por este e tanto outros artigos de sua autoria. Mas, este em especial, acredito que foi o melhor que já li. Nunca tinha parado para analisar no meu modo de agir e acredito que como tudo é a primeira e última vez que realizo um movimento, ação, execução de um trabalho diário e até mesmo a interação com uma pessoa, a morte de uma pessoa acontece por consequência. Irei aplicar não somente em meus treinos, mas sim em minha vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *